Arquivo da categoria: Filatelia

Concurso de Cartas

Essa é para a galera de até 15 anos!

Os prêmios são muito bons, basta escreverem uma cartinha (e que seja uma das melhores).

Divirtam-se!!! 🙂

 

Fonte: Informativo da Filatelia 77


 Inscrições abertas para o Concurso Internacional de Cartas

Os Correios estão recebendo, desde 1º de fevereiro, inscrições para o 41º Concurso Internacional de Redação de Cartas, promovido pela UPU – União Postal Universal, entidade que reúne operadores postais de 191 países.

O objetivo do concurso é desenvolver a habilidade de composição dos jovens de até 15 anos, contribuir para o fortalecimento das relações de amizade internacionais e aprimorar a comunicação por meio da escrita. O tema desse ano é “Escreva uma carta a um atleta ou a uma personalidade esportiva que admira para lhe dizer o que significam os Jogos Olímpicos para você”.

As redações precisam ser escritas em língua portuguesa, ter relação estrita com o tema e conter no máximo 800 palavras. Além disso, as cartas devem ser redigidas de próprio punho, com caneta esferográfica de tinta preta ou azul. Preferencialmente, devem ser escritas no formulário de redação do concurso, disponível para impressão no endereço www.correios.com.br. No portal dos Correios também estão disponíveis as fichas de inscrição e regulamento do concurso. As inscrições vão até 16 de março e podem ser feitas apenas pelas escolas, públicas ou privadas. Cada instituição de ensino tem a possibilidade de inscrever até duas redações para participar do concurso.

Premiação: A realização do concurso no Brasil fica a cargo dos Correios e é desenvolvido em quatro fases: escolar, estadual, nacional e internacional. Serão premiados os três primeiros colocados nas etapas estaduais, o primeiro colocado da etapa nacional e os três primeiros colocados na etapa internacional. TV de LED de 32″, notebook, computador, impressora e som portátil são alguns dos prêmios que aluno e escola poderão ganhar. Em 2011, foram 5.563 redações inscritas de 4.365 escolas participantes.

O Brasil já venceu a fase internacional, que acontece desde 1972, em três oportunidades. Só a China, que tem cinco medalhas de ouro, está à frente dos brasileiros. O resultado do concurso será divulgado no final de abril.

Os benefícios proporcionados pela Filatelia na aposentadoria

Fonte: Portal do Selo (Filatélica Penny Black)

obs.: Estou bem longe da aposentadoria, mas… 😀


(Escrito por Ana Lúcia Loureiro Sampaio)

Os benefícios prestados ao ser humano pela filatelia são muitos; vão desde a formação de sua personalidade, quando iniciada ainda na infância; a prevenção de doenças provocadas prelo estress na idade adulta, do homem ou mulher em plena atividade profissional; até a prevenção da depressão e de todas as moléstias acarretadas, na idade madura; quando o homem e a mulher já estão afastados de um interesse profissional que o motive a continuar vivo, forte e atuante.

Como este é um bate-papo informal com pessoas de minha própria geração, vamos deixar, no momento, crianças e jovens de lado e, conversar sobre o que realmente nos interessa: a nossa qualidade de vida.

A aposentadoria embora sempre esperada, devido a necessidade que vamos sentido com o passar do tempo, de um merecido descanso ou de um ritmo de vida menos acelerado, quando chega, em um primeiro instante, é só alegria. Viva!!! Estou livre!!! Agora sim é que vou aproveitar a vida!!! É uma espécie de lua de mel, antes de se cair na real. Depois que tivermos feito todas as viagens permitidas pelo orçamento, depois que tivermos lido alguns livros, depois de nos distrairmos com os filhos e netos alguns dias, do nada, aparece um buraco a nossa frente, um vazio que parece não ter fim; é a hora do perigo, gente: é a depressão causada pela perda. Perda sim, perda de um interesse central que nos faça acordar cedo a cada dia, e sair para a rua, encontrar os amigos no trabalho; bater um papo aqui outro ali, fazer o que se tem que fazer, sentir fome ao esperar o horário de almoço, ficar cansado e voltar para a casa com notícias para contar certo de que irá também ouvir outras.

É isso aí, não se pode viver sem um objetivo, uma coisa que realmente nos interesse fazer, uma paixão. Um casal de certa idade pode se amar profundamente, pode ser cúmplice e companheiro em todos os momentos, mas não pode viver um pendurado no pescoço do outro 24 horas por dia, falando da casa, dos filhos, dos netos e dos programas de televisão; ou do dói aqui e dói ali. Doer dói mesmo, porque ainda somos mutantes e nossa coluna ainda não está perfeitamente adequada para a vida em pé. Nossos antepassados quando desceram das árvores, foram muito precipitados ao se levantar nas patas traseiras antes de estarem prontos para isso; e quando o homem moderno afinal sentou e, quase parou de andar, com a invenção do automóvel, a coisa piorou; pois em vez de apoiar o peso nas pernas passou a apoiar-se quase que exclusivamente na coluna que é bem frágil para sustentar o peso do sedentarismo cada vez maior.

Então, na falta de algo melhor para se fazer, começa a peregrinação pelos médicos e a se tomar remédios em excesso, dos quais não há um sem efeito colateral. Aliás ir aos médicos torna-se lazer, experimentam vários, cada semana há pelo menos um marcado; com todas as facilidades proporcionadas pelos planos de saúde. As dores, gripes resfriados e incômodos físicos, tornam-se o assunto mais importante e as pessoa passa a girar ao redor delas, em vez de procurar uma distração. Ninguém se lembra que lá pelos trinta e cinco, quarenta anos, já sentia alguma dor. Nem pensava muito nela, pois tinha o trabalho que absorvia; os amigos que convidavam para isto ou aquilo e essa rotina de compromissos fazia esquecer tudo.

Aposentada, a pessoa fica meio perdida com uma porção de horas antes tão ocupadas, agora, completamente vazias. Não dá mesmo para deixar de sentir sintomas, já muitas vezes sentidos antes, mas nem percebidos. A preocupação com a saúde torna-se mórbida, sem que se note e os sintomas realmente fazem- se sentir mais fortes. É a depressão!!! A depressão profunda e depois disso o pijama e chinelos e um grande nada a nossa frente, criando medos, fazendo-nos sentir excluídos da vida, quando vemos filhos e netos indo e vindo da batalha diária, no trabalho e nas escolas.

É aqui, então, que entram os selos e nos renovam a vida os interesses e nos dão ânimo para sair de casa e ir aos clubes ou lojas filatélicas, encontrar amigos que curtam o mesmo assunto, formando assim um novo universo de vida que nos absorve completamente o tempo e milagrosamente deixamos de sentir todas aquelas cozinhas desagradáveis que estavam nos enchendo de aborrecimentos ou preocupações. Esquecemos as dores, os médicos e os remédios. O novo interesse nos faz pesquisar, procurar saber do que tratam os selos, voltamos ao computador. Agora não para trabalhar mas para pesquisar , conhecer novas emissões de selos, procurar aqueles que nos faltam na coleção, saber melhor sobre os países sobre os quais possuímos selos e de repente, passamos a ter assuntos novos e interessantes para conversar com filhos , netos e amigos.

Podemos até ajudar nossos netos a iniciarem coleções de selos e, assim, ficaremos mais próximos a eles, saindo daquela incômoda posição de apenas avô, a quem os netos devem amar e respeitar, para a de companheiro e cúmplice, cuidando das coleções de selos.

Selos de Portugal 2009

Queridos amigos filatelistas que porventura visitem esse site: inaugurei uma seção “Filatelia” (veja barra lateral), e para a estreia, acabo de disponibilizar para Download um arquivo que eu fiz com o AlbumEasy.

O arquivo contém as páginas para montar um álbum dos selos emitidos por nossos irmãos lusitanos no ano passado.

Espero que gostem, e se divirtam!

Qualquer dúvida, comentário, sugestão, etc, podem comentar aqui mesmo…

Dia do Filatelista

E hoje, enfim, é o Dia do Filatelista Brasileiro – como antecipamos com a publicação daquele poema, há dois dias atrás (se você não leu o pema, veja logo mais abaixo… vamos, você consegue, você chega lá…).

Antes de mais nada, parabéns a todos os filatelistas!!! E em seguida, adiciona aqui abaixo um material veiculado pelos Correios em relação a esta data tão querida.


 

5 DE MARÇO – DIA DO FILATELISTA BRASILEIRO

 
Os Correios comemoram hoje (5/3) o Dia do Filatelista. Há mais de um século e meio, o hábito de colecionar selos tem atraído um grande número de aficionados, por todo o mundo. Esse tipo de colecionismo é denominado “Filatelia” (do grego fila = amigos e telos = selo); seu praticante é o filatelista. Contudo, nem só de selos vive o filatelista; na sua coleção também se encontram carimbos, franquias mecânicas, folhas comemorativas e blocos.
 
A Filatelia se tornou uma atividade cultural. Os selos comemorativos, por exemplo, registram os aspectos socioculturais das nações, tornando-se fontes inesgotáveis de pesquisa, entretenimento e investimento.
 
Os Correios vêm promovendo a revitalização da Filatelia no Brasil, por meio de projetos que divulgam o hobby. Um deles é o Projeto Correios nas Escolas, que visa estimular alunos e educadores a utilizar os selos postais como instrumento de cultura, pesquisa, entretenimento e integração social. Entre outras ações, o projeto já promoveu ampla distribuição de material promocional para professores, autorizou a impressão de selos em livros didáticos recomendados pelo MEC e incentivou a criação de clubes filatélicos na rede escolar, fomentando essa atividade por meio da organização de mostras e exposições nas escolas.
 
No contexto dessa popularização, os Correios instituíram em 2001 o Troféu Olho-de-Boi, concedido ao artista criador do selo mais bonito do ano. Em 2003 foi lançado o Prêmio Correios Jovem Colecionador, destinado a destacar a melhor coleção filatélica montada por alunos do Ensino Fundamental em todo o País, estimulando-os a colecionar selos e utilizá-los como elemento de pesquisa nos trabalhos escolares.
 
HISTÓRIA
 
Em cinco de março de 1829, D. Pedro I baixou um decreto que organizou os Correios do Brasil, definindo tarifas e outras questões de importância para o desenvolvimento dos serviços postais. Essas medidas culminaram com a independência e a organização dos Correios do Brasil, possibilitando que, em 1º de agosto de 1843, 14 anos depois, fosse emitido o primeiro selo postal brasileiro.
 
Mas a decisão de tornar o 5 de março, o “Dia do Filatelista”, ocorreu somente em 1969, em São Paulo , durante um congresso organizado pela Comissão Estadual de Filatelia.
 
O Brasil foi o segundo país do mundo e primeiro das Américas a adotar o selo postal como comprovante de franqueamento, graças ao pioneirismo do Imperador D. Pedro II, que sensível às idéias inovadoras da época, vislumbrou no  Penny Black, primeiro selo emitido no mundo, em 1º de maio de 1840, na Inglaterra, uma conquista que marcaria definitivamente o destino dos Correios.
 
Entre selos, coleções e medalhas, a Filatelia movimenta um mercado de clientes apaixonados por arte, comunicação e cultura.
 
 
ALGUNS DADOS RELACIONADOS AOS SELOS
 
O valor de um exemplar de selo varia de acordo com sua raridade. O valor real aumenta após dois anos da data de sua emissão. Isto porque, expirado este prazo, o selo é retirado de circulação e passa a ter um valor agregado que pode superar de longe o preço que traz estampado.
 
Selos comemorativos costumam ter tiragem menor e, portanto, são mais valorizados. É o caso, por exemplo, das edições especiais de Natal e Ano-Novo, que se esgotam rapidamente.
 
CUIDADOS ESPECIAIS
 De valor inestimável, o selo requer cuidados especiais ao ser manuseado:
 
● Rabiscar, amassar ou rasurar um exemplar é quase um crime;
 
● A data de lançamento do selo precisa ser sempre respeitada. Quanto ao uso dos selos comemorativos/especiais em correspondências, há ações muito importantes relacionadas à picotagem, colagem e carimbação;
 
● O sistema de picotagem deve ser observado durante a separação dos selos recebidos em folhas compactas, por ocasião da comercialização no varejo;
 
● Ao afixar os selos no envelope, não utilizar cola branca (escolar) ou goma arábica. Prestar atenção, também, para não afixar os selos uns sobre os outros;
 
● A obliteração (carimbação) deve ser feita com nitidez e com cuidado para não atingir toda a superfície do selo.

Selos… 5/3/2009 – Dia do Filatelista

Poesia Filatélica
(Aluísio de Azevedo)

Pedistes selos? Pois selos
Tereis os que apetecerdes,
Encarnados, amarelos,
Azuis, roxos e verdes;

Tê-lo-eis grandes, pequenos,
A farta postos à escolha
Uns melhores, outros menos,
Uns velhos, outros em folha.

Mandar prefiro os antigos,
De velhos, cansados povos
Pois os selos, como amigos,
Mais valem velhos que novos.

Tê-los-eis dos mais legítimos
desde o tempo dos Henriques,
Em réis, centavos, cêntimos,
Em shillings e peniques.

Tê-los-eis com vários bustos
Tê-los-eis de vários anos,
De imperadores vetustos
E chefes republicanos.

Tê-los-eis de vários gostos,
Firmados em línguas várias,
Mostrando diversos rostos
De personagens lendárias

Rostos de moços e velhos
Que humildes povos incensam,
E de importantes fedelhos
que já reinam e ainda não pensam ;

De rainhas primitivas
Que a nós só contam da História
E de outras que estão bem vivas
Como a grande Rainha Vitória;

De Colombo e sua roda,
De Santo Antônio e do Papa.
Pois, depois de selo é moda
Já ninguém do selo escapa.

Apesar receio, amigo,
Que à força de mandar selos
Fique eu doido e vós comigo
à força de recebê-los.