Sem ter o que falar

Faz tempo que não posto aqui. E muitas das últimas postagens foram de links, fotos, e outras coisas que achei pela rede. Cadê conteúdo próprio? Cadê meus textos que analisam qualquer coisa ou coisa nenhuma?

Pois é. Inúmeras vezes disse que ia (e tentei) escrever mais frequentemente. Sempre falta tempo, mas falta assunto também. Ou melhor, assunto até que não falta. Falta eu conseguir sentar e discorrer sobre algum deles. Ando num “branco mental” e está difícil sair. 

Por que estaria nessa situação? Andei pensando, e concluí que isso tem muito a ver com o uso que tenho feito da Internet nos últimos tempos. Note se não ocorre o mesmo contigo: lemos muito, vemos muito conteúdo mastigado, e mesmo o não-mastigado fica perdido em meio a muitos outros posts e comentários que “temos” que ler. E muito conteúdo intenso é sempre postergado porque ele vai “atrapalhar” o consumo dos demais textos, menores. Textos menores sempre vão pro topo das prioridades. E se tiver só uma figura, melhor ainda, esse é o que vai para o topo geral da lista. 

No fim das contas, não adianta: lemos milhares de fragmentos de todos os assuntos e não refletimos em nenhum. Esse é o grande erro. Temos acesso à informação, não obrigação de ler tudo. Temos que mudar, saber usar a informação que recebemos. Torná-la útil. 

De minha parte, vou tentar fazer isso. Não me afogar nas águas da Net, e o que for possível, registrar, comentar, aumentar o conteúdo por aqui. Se alguém se interessar, melhor ainda. Senão, pelo menos serve para mim mesmo.

One thought on “Sem ter o que falar”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *